Nutrição ou Gastronomia –

Olá! Hoje é meu grande prazer convidar a Eliane Kina, uma nutricionista e chef de cozinha e o nosso papo hoje vai mostrar o quanto gastronomia e nutrição combinam.

Queria agradecer muito a sua vinda hoje é um prazer fazer este post com você e contar um pouquinho da sua história, que eu acho sensacional, uma história muito rica e com várias culturas, tanto brasileira, claro, mas também japonesa e um pouquinho de francês Sim! Então, Eliane, eu queria saber um pouquinho mais da sua trajetória, tanto profissional quanto pessoal, sobre a sua relação com a comida.

Eu vou começar quando eu tinha um ano de idade, mas vai ser rapidinho. Quando eu tinha um aninho de idade, a minha mãe fez uma festa de aniversário pra mim, nessa festa, tinham muitas comidas japonesas e as pessoas. Vou ter que falar minha idade também, quarenta anos atrás, era novidade, comida japonesa.

Até um dia eu levei um bolinho de arroz na escola e fez a maior confusão porque todo mundo queria ver minha lancheira que tinha um bolinho de arroz dentro, que não era comum quarenta anos atrás, né? Então quando eu fiz um aninho, minha mãe fez essa festa de aniversário, as pessoas queriam aprender a comida japonesa, porque vê uma comida colorida, uma comida bonita, e aí minha mãe começou a ensinar na cozinha da minha casa.

E aí a cozinha foi ficando pequena, porque muita gente começou a querer aprender e aí minha mãe montou uma escola de culinária. Então desde pequenininha eu ajudo minha mãe, fico junto com ela, enquanto ela dava aula, eu ia tirando a raiz do broto de feijão, sempre ajudando, contribuindo e fazendo a cozinha junto com minha mãe, então esse foi seu primeiro contato.

Nutrição ou Gastromania?

Depois quando surgiu a vontade de estudar? Você começou com a nutrição ou com a gastronomia?

– Então, quando eu fui escolher a faculdade, eu gostava muito de cozinhar, só que naquela época, não era muito comum a faculdade de gastronomia e a faculdade mais próxima, foi a faculdade de nutrição.
Então a minha mãe disse assim: “Faz a faculdade de nutrição“, me deu uma sugestão, “porque a gente já tem uma escola de culinária e aí a gente pode trabalhar juntas”. Então eu escolhi a nutrição, para estar entrando na gastronomia mesmo

Como foi estudar nutrição? Você se sentiu tranquila, feliz? Ou era, para você, uma profissão que preparava bem para, justamente, a gastronomia? Ou não tanto?

– Então, no começo da nutrição eu quase desisti. – Por quê? Eu gostava muito de cozinhar e na faculdade eu via que não tinha essa disciplina. No momento que eu queria entrar na alimentação, era muita coisa sobre restrição alimentar, do que não pode e  do que pode.

– Muitas vezes eu fiquei com vontade de desistir da faculdade, mas uma vez, eu fiz um estágio no Gran Meliá Hotel e aí eu abria as cozinhas, porque lá tinham doze cozinhas internacionais e quando eu abria cada cozinha, meu coração começava a bater forte. Aí eu falava assim: “Eu tenho uma chance de trabalhar junto com a gastronomia”.

– Eu comecei a gostar dessa parte, a tentar levar a profissão um pouco desse lado, da parte da gastronomia junto também, que é o lado do prazer de comer, justamente, a gente sempre fala da nutrição, ela foca no nutriente, na proteína, na caloria, na gordura e a parte do prazer de comer, a parte do sentimento ela não faz, agora espero que vai fazer cada vez mais parte, mas na época que você se formou, que eu me formei, não fazia parte do currículo –

É – Falar dessa parte mais psicológica do comer, então, para você estava faltando, né? E aí você foi estudar gastronomia?

Aí quando eu me formei, eu senti a necessidade de estudar gastronomia e aí eu comecei a trabalhar em algumas empresas de alimento. Chegou um momento que eu falei assim: “eu quero algo a mais”, porque eu comecei a fazer a pós de docência em gastronomia e eu falava assim: “eu não quero ser uma professora que só sabe a teoria, eu quero saber a prática também”. Foi ai que eu arrumei um estágio na França para eu ser cozinheira lá, eu queria cozinhar!

Aí eu cozinhava e quando cheguei naquela cozinha, parecia que eu me encontrei, era um peixe fora d’água, quando entrei na cozinha, era um peixe dentro d’água.

– Mesmo em francês? – Mesmo em francês! Eles não sabiam falar nada em português, tanto que quando eu cheguei lá, que eu falei que eu cheguei do Brasil para cozinhar, eles assustaram porque viram uma japonesa e queriam uma brasileira, porque eu falei que vinha do Brasil, né? E aí eu comecei a cozinhar, comecei a misturar a cultura também, teve até um dia que eu fiz um sushi com foie gras. Fiz um arrisquei e eles gostaram bastante e na minha casa sempre foi assim, muitas comidas diferentes.

Meu marido é italiano, então às vezes tem macarrão, às vezes tem sushi e é esse prazer de comer mesmo, sempre em volta da comida Que legal.

E sua experiência na França foi diferente? Uma cultura bem diferente, uma relação com o prazer de comer? Você achou que foi uma cultura que abriu novas portas para você? O que deixou você mais surpresa nessa abordagem francesa?

Quando eu comecei a conhecer a cultura da França, foi um momento da minha vida que mudou muito meu pensamento em relação a alimentação. Só que quando eu estava lá, eu não sabia que ia mudar tanto, vou te explicar porquê, quando eu estava lá, era muito a relação de sentimento, do comportamental com a alimentação, por exemplo, meu chefe me dava um peixe vivo e quando eu recebia o peixe, eu tinha que conhecer o peixe por inteiro.

Então ele sempre falava: “Coloca a mão no peixe, sente o peixe, onde termina a carne, onde começa a pele, onde termina a barrigada do peixe, pra eu cortar o peixe e aqui no Brasil eu não tinha isso. Era assim, sentir o aroma das ervas, sentir o aroma do alho, viver a cozinha de uma forma intensa, eram todos os cinco sentidos: o aroma, o sabor, o visual, a sensação do cheiro.

Em todo o tempo que eu estava na cozinha, eu estava vivendo aquilo com tanta intensidade, que eu não tinha e não conhecia aqui no Brasil. Por exemplo, teve uma vez que o meu chefe falou assim: “Eliane, você está sentindo o aroma da trufa no vinho?” E eu falei assim: “Não!” Ele falou: “Você sabe o que é trufa?” e eu disse que não sabia o que era, ele foi na cozinha, pegou uma trufa, cortou e me fez sentir o aroma, aí eu fui tomar o vinho, mesmo assim eu não estava sentindo o aroma da trufa.

No dia seguinte, ele me levou para Périgord, na capital mundial da trufa, quando eu cheguei lá, senti um aroma muito forte de trufa, eu fiquei emocionada com aquele cheiro e ele disse assim para mim: “Nunca mais esqueça esse cheiro do seu coração” Então, a relação da comida, do amor, é diferente do que no Brasil – Você acha? – Acho.

Eu costumo dizer que o ser humano, ele se nutre de alimentos e sentimentos, mas eu acho que o Brasil vive muito esse prazer de comer. Eu morei nos Estados Unidos e acho que aqui é mais forte do que lá. Você está dizendo que na França é ainda mais? É, foi mais intenso para mim.

Viver naquela cozinha com aquela cultura é uma coisa que eu gostei muito, era a parte da entrada, do prato principal e da sobremesa.

Do comer colorido, das texturas, quando a gente tem mais texturas e mais cores, mais ingredientes diferentes a gente tem no nosso prato, é muito mais rica, é a nossa comida também. Sempre sentado, na mesa, tem um ritual “o ritual de comer” de celebrar a comida.

Uma vez eu participei de um almoço embaixo de uma macieira e aquela macieira tinha uma mesa gigantesca com muitas pessoas juntas. E as pessoas conversando, rindo, brincando, olhando no olho, era uma família linda, tinha o prato passava uma panela até o final da mesa.

Quando eu fiz o curso de nutricoaching, o Mindful Eating, eu falei assim, “é isso que eu estava vivendo lá, e eu não sabia que tinha esse nome”. Me lembro desse dia que você me falou: “Nossa, tudo que eu vivenciei na França era Mindful Eating!” E eu não sabia que era esse nome, do comer consciente, de estar lá naquele momento, aliás, a gastronomia francesa foi tombada como um patrimônio da humanidade.

Não são só as receitas o que foi tombado é justamente sentar juntos e comer juntos a mesma comida, sem se questionar se é lactose, glúten, se posso comer ou não, é bem interessante.

E aí você voltou para o Brasil e começou a trabalhar como chef? Ou como nutricionista? Ou os dois?

Quando eu votei para o Brasil comecei a trabalhar em um restaurante e aí quando eu estava aqui, eu depois, fui de novo trabalhar na Inglaterra. Depois eu voltei pra cá de novo e aí, quando eu estava aqui de novo, meu chefe me convidou de novo para eu voltar para a França. Daí eu fui de novo trabalhar na cozinha foi quando eu vim em definitivo e comecei a trabalhar de chef e nutricionista juntos.

Até que eu comecei a perceber que eu tinha algo a mais, falei assim: “Vou pesquisar mais sobre o assunto” fiz um curso de coaching, de master coaching, me formei e depois eu procurei na internet “nutricoaching“.

O que ele é? Nutrição com a gastronomia?

– E aí você me encontrou?  – E aí eu te encontrei! E na verdade eu nem sabia muito da sua história. Eu já tinha visto seu livro e quando eu fui pro curso, eu pensei que estava indo naqueles congressos de nutricionistas que me deixavam muito triste no passado, porque tanta restrição, tanto sem glúten, sem lactose, comer com fibra e isso e aquilo?

Quando eu cheguei lá, que você começou a falar que não era para fazer dieta, que podia comer manteiga, que podia fazer tudo, eu fiquei tão feliz! É, me lembro, eu fiquei feliz também, de ver o quanto você estava feliz por estar lá.

Então, foi uma como se esse curso ajudou você a juntar tudo e ver que gastronomia e nutrição combinam.

Não é um outro, porque infelizmente é isso que a gente escuta: ou você come com prazer ou você come com saúde. Mas você não pode ter os dois eu não concordo! Eu acho o contrário, que a comida ela faz totalmente parte da saúde e do bem-estar, quando eu descobri isso, eu não fiquei mais com vergonha de ser nutricionista quando eu estava sendo chef.

E quando eu era chef de cozinha, não podia ser nutricionista, eu tinha essa crise também, por isso eu tinha vergonha quando estava cozinhando, de falar que eu era nutricionista, porque todo mundo fala assim: “Ué, mas você pode fazer bolo de chocolate?” “Você pode pôr manteiga, vinho?” “Você pode colocar tudo isso na sua comida?” E aí quando eu falei: “Nossa, agora eu posso” Daí eu fiquei em paz, porque eu achava que só ficava em paz lá na França.

Mas quando eu te conheci, eu vi que podia ter paz aqui no Brasil também. Muito obrigada, Eliane Espero que todo mundo tenha aproveitado algumas dicas da Eliane, que vai também me ajudar muito na parte da gastronomia – Vamos cozinhar juntas! – Vamos elaborar juntas projetos e ajudar nosso público a cozinhar mais com mais prazer, mais gastronomia e sem culpa – Não é? – Sim!

Receita Pudim de Pistache

Vamos começar? Pra fazer o nosso pudim de pistache, eu amo pudim cremoso, pudim sem furinho, pra deixar ele assim eu coloco – 2 latas de leite condensado, então eu vou começar com o leite condensado. Vou colocar tudo aqui no meu liquidificador.

Primeiro o leite condensado, 2 caixinhas de leite condensado, a medida de uma caixinha de leite, o que eu vou fazer aqui? Nesse leite, eu vou acrescentar pasta de pistache, essa pasta é muito legal para dar sabor ao nosso pudim e como eu vou fazer um pudim de pistache, eu vou utilizar a pasta de pistache pra essa quantidade de leite condensado, eu vou colocar 2 colheres de sopa de pasta de pistache, olha só.

Por que você colocou a pasta separada, não colocou direto no liquidificador? Pra gente começar dissolver esta pasta e ficar mais fácil de misturar com o restante dos ingredientes, misturo um pouquinho pra nossa pasta começar a dissolver e ai eu já coloco no liquidificador com o restante dos ingredientes.

Olha só, o meu leite já ficou verdinho da cor do pistache, vamos tirar aqui o que está na colher, eu estou utilizando aqui uma pasta de pistache granulada, mas também tem a pasta de pistache lisa, vocês vão escolher a que vocês preferirem. Mexo bem, não precisa dissolver tudo, mas, precisa deixar o leite verdinho.

Acrescento no liquidificador com o nosso leite condensado que já estava aqui e 4 ovos – coloquei tudo no liquidificador, agora eu vou bater para o nosso pudim ficar pronto batido, lembrem-se de bater bem para que esta pasta dissolva completamente aqui na nossa receita e depois de batido, eu vou colocar para assar – tenho aqui uma assadeira, que eu já coloquei o caramelo, eu fiz o caramelo com água, quando esse caramelo já estava todo dissolvido o açúcar, eu coloquei meia xícara de água.

Então para cada xícara de açúcar, eu coloco meia xícara de água e deixo ficar na corzinha de caramelo que a gente precisa. Vou colocar a nossa massa de pudim e dessa forma a gente leva para o forno, mais ou menos por 1 hora e meia. Sempre que eu levo ao forno, olha uma dica já aqui eu coloco na assadeira que eu vou fazer o banho maria, mas não coloco a água, levo para o forno e só lá dentro do forno é que eu coloco a água quente aqui na minha assadeira.

Receita Pudim de Pistache

Só pra não ter que ficar transportando a assadeira já com água, porque dificulta o transporte, Tudo bem? Desta forma vocês vão deixar no forno por aproximadamente 1 hora e meia. Depois deste tempo vocês vão retirar este pudim do forno e este pudim vai estar incrível, eu vou mostrar pra vocês.

Agora eu vou mostrar pra vocês o resultado do nosso pudim, como eu disse pra vocês, eu enformei este pudim, é um pudim de pistache, levei pro forno no banho maria por 2 horas, lembra que eu falei pra vocês colocarem sempre água na assadeira para assar esse pudim no banho maria.

Fiquem atentos sempre com o nível da água, ele leva em média de 1 hora e meia a 2 horas para assar, vai depender do seu forno. Então sempre fiquem de olho na quantidade de água que pode baixar um pouco, Tudo bem? Deixei na geladeira de um dia para o outro, pra eu desenformar ele bem frio Agora passei uma faquinha aqui em volta e a gente vai ver o resultado Olha só

Olha que lindo o nosso pudim! Vamos cortar pra ver? Olha só que lindo e cremoso, olha só, vou cortar para vocês verem dentro todo ele fica completamente cremoso e com o sabor especial do pistache. Lembrando que se você quer o seu pudim de pistache um pouquinho mais verde, você pode sim colocar um pouquinho mais de pasta ou um pouquinho de corante também para acentuar este tom.

Sem contar que a sua calda, você escolhe, se você gosta dela um pouquinho mais escura, um pouquinho mais clara ,eu gosto dela um pouquinho mais escura, desta forma que eu estou mostrando pra vocês. Espero que vocês tenham gostado desta receita que é prática, fácil e incrível.

Pra que você não perca nenhuma dica, pra que você fique por dentro de todas as novidades, me acompanhe sempre, porque novidades não vão faltar durante esse ano que começa hoje e que eu tenho certeza que vai ser incrível.

Como fazer Pão de Leite Fofinho – Receita fácil

Que tal fazer na sua casa um pão de leite fácil e tão fofinho com aqueles que a gente compra na padaria? Essa é daquelas receitas que sempre funcionam por isso ela faz parte do nosso guia de receitas, que você pode encontrar nas livrarias físicas pelo brasil todo ou pelas lojas virtuais, o primeiro pra vocês pegarem os ingredientes dos pãezinhos e o segundo pra vocês comprarem o livro Agora vou fazer nosso pãozinho

Coloque no liquidificador ou mixer 250 ml de leite morno, dois ovos, duas colheres de sopa de açúcar, meia colher de sopa de sal, 5 gramas ou meio pacotinho de fermento biológico seco e granulado, 40 ml de óleo de soja e uma colher de sopa de margarina ou manteiga.

Bata o suficiente para misturar, deixe eu te dar algumas dicas para o seu pãozinho funcionar, primeiro o leite tem que ser morno, não pode ser quente, leite quente queima o fermento, morno é quando você coloca o seu dedinho e ele fica confortável e não queima, então, é assim que tem que ser para usar em receitas de pães e bolos que pedirem o leite morno.

Segundo os ingredientes devem estar sempre em temperatura ambiente a menos que a receita peça manteiga gelada ou algo desse tipo então deixe tudo em temperatura ambiente. O fermento utilizado na receita é este aqui de pacotinho fermento biológico seco instantâneo, se você quiser usar o fermento fresco você usa 15 gramas.

Modo de preparar:

Agora vamos continuar com o pão: Despeje em uma vasilha grande e vá acrescentando a farinha de trigo até desgrudar das mãos – faça os pães no formato que quiser, eu gosto de fazer bolinha – Coloque em uma assadeira deixando um espaço entre eles – Cubra com um pano de prato úmido para não ressecarem – Agora é hora de deixar os pães descansarem para eles crescerem, é só cobrir com um pano úmido e deixar dentro do forno desligado.

Se você mora numa região pouco mais fria, de 21 graus para baixo o ideal é você aquecer o seu forno na temperatura máxima por 20 segundos, aí você desliga e coloca os pães lá dentro, isso ajuda o fermento a trabalhar. Depois de 45 minutos os pães devem ser crescidos assim, para essa receita você não deve pré-aquecer o seu forno.  Você liga a 180 graus se o seu forno for elétrico ou 200 graus o seu forno for a gás e já coloca os pães para assarem, o tempo de forno é uma coisa complicada de dizer porque muda muito conforme a marca do forno, então o ideal é que você olhe a por cima até que fiquem moreninhos por cima com cara de pão de padaria já tá bom.

Enquanto nosso pão está assando, é hora de você compartilhar essa receita. Não esqueça de compartilhar com a mamãe e com a vovó moderna. Agora vamos ver como ficou nosso pão Essa receita rendeu 24 pãezinhos do tamanho da palma da minha mão.

 

Pastel Fit

Pastel FIT (receita de pastel assado com massa leve e fácil)

No mercado de rua, no pub ou no restaurante extravagante o pastel está em toda parte e vamos te ensinar uma receita saudável para fazer esta paixão nacional.

Para começar, vamos misturar o iogurte com a farinha, 1 Pote DE iogurte desnatado + farinha. Adicione um pouco mais e misture, adicione um pouco mais e misture, você vai fazer isso até que ela pare degola -É um ponto de descoberta.

É tudo sobre a massa, adicione a farinha lentamente até que a massa PARA QUE FURA literalmente de sujar as mãos, agora eu estou começando minhas mãos sujas. Temos que ser gentil com a comida, eu vou comer isso, imagine se eu maltratar isso, o que ele vai fazer para mim mais tarde.

Acima de tudo, acredite, porque o que temos em mãos, por vezes, não é como o produto final este será um pastel Fitness, meu amigo, vamos Brasil!!!

Eu acho que você não tem o que é preciso para fazer isso, quantas vezes eu faço isso? Pense nisso! Eu me pergunto como isso foi inventado, alguém jogou a farinha, misturada com alguma coisa e agitou assim, eu acho que foi descoberto por acaso, eu acho que é isso.

Eu estou aqui, você pode falar comigo aqui, está pronto quando não está furando mais, eu não acredito que ele não está furando agora, você está indo para abrir a massa, um mini-rolo tão pequeno! -A mini-massa -Nós vamos cozinhar mini-pastéis.

Vamos está a abrir a massa aleatoriamente Estou abrindo, para compreendê-lo em primeiro lugar Porque eu vou ter que Fecha-o Fechei-lo, porque parecia Oceania forma Greenland É uma massa fácil.

Muito fácil, o que eu fiz até agora? ingredientes -dois iogurte -Mixed e farinha Com fermento, mas é uma coisa O que é legal sobre esta massa, é muito versátil Vamos fazer pastéis, mas pode ser pizza.

Para mim, você cortá-la, adicione o tomate, orégano, queijo aptidão Pizza Olhe para isso! Que bela massa! Por favor, não arruinar a massa que você acabou de fazer Não há nenhuma maneira de estragar isso Será que temos um copo? Nós temos um copo maravilhoso, com o tamanho perfeito para pastéis.

Corte a DISCOS Agora você separar os discos e com essa massa você pode fazer mais pastéis Isso é verdade, se eu esticar posso fazer mais Eu não tenho o swing Você precisa de seus bíceps O que você quer dizer? -O pastosa é de fitness

Eu quero um espelho para olhar para mim Para ver se eu sou forte Depois de trabalhar esta massa, você pode verificar que você bíceps.

Pastel Fit

Olhe para ele A farinha é tão poderoso Ele tem o poder de multiplicação Não só ele fazer pastéis Fiz 6, fez 4 e posso fazer outra 35 Você quer comer mais pastéis, você precisa suar Este é o momento em que seu personal trainer gritar mais 3! Mais dois! Vamos! 195 kg no supino E ele grita ‘mais um’! -Você galinha! -Você galinha! Quer mais um? Vou te dar mais uma

Eu te darei, Quer mais um? Vou te dar mais uma -Você vai fazer dois! -Vou fazer dois Para humilhar o personal trainer.

Duca, vamos fazer o recheio? Vamos! Vamos fazer o recheio Eu estava pensando que eu fiz 18 pastéis E você pensou que estava indo fazer o terceiro. Olhe para mim Tem a aptidão? Segunda posição.

É como uma galinha Vamos fazer uma pesquisa: você acha Duca está apto ou gordura? Manter isso para si mesmo Mantenha-o para você A quantidade de enchimento vai depender de quanta grana que você tem Porque talvez você parou na terceira repetição, você não poderia fazer todas as repetições

Então você tem menos massa Eu sou um maratonista e fez uma torre de Pisa com os pastéis Este preenchimento é muito legal, não é apenas para os pastéis, você pode comê-lo com um biscoito, sobras não são um problema RICOTTA ORÉGANO SALSINHA AZEITE SAL Vamos fazer a pastosa, Duca? Vamos fazê-lo, e não há apenas alguns Eu sempre pensei por que os pastéis são amarelas na parte superior? Gema de ovo

Escova Afogar Cotonete -É bonito, Duca -É muito bonito

Parece um pastel real e é de fitness Vamos assar? Asse por 20 minutos a 180º (ou até que esteja cozido). Esta receita é tão simples, tão fácil, acho que as coisas complicadas durante o processo, Não, eu não, é só porque eu nunca fiz massa antes, e a massa me surpreendeu me dando pastéis extras.

Suco de Cenoura Com Gengibre: Conheça Esta Poderosa Combinação

Benefícios do suco de cenoura com gengibre um corpo saudável e uma pele brilhante é o desejo de todos uma dieta adequada pode contribuir muito para isso.

Essa é a razão pela qual muitas pessoas estão desistindo dos refrigerantes e sucos industrializados, e estão procurando bebidas mais saudáveis e que podem ser feitas em casa, uma dessas bebidas é o suco de cenoura com gengibre. Muito bom para a saúde, pois os dois ingredientes tem antioxidantes, minerais e multi vitaminas. Veja agora, porque beber esse suco:

1 Imunidade – Esse suco é ótimo para o sistema imunológico. As vitaminas A e C ajudam as células a se tornarem imunes

2 Pele – Alguns nutrientes desse suco, impulsionam a saúde da pele e mantém os problemas de pele afastados, como a vitamina A e os antioxidantes, que mantêm a pele úmida, e bloqueiam a acne, a pigmentação e as marcas A cenoura contém ainda beta-caroteno, que estimula a saúde da pele.

3 Risco de câncer: O suco de cenoura e gengibre – protege do câncer, devido as suas propriedades anticâncer, anti-inflamatória, antioxidante e anti-metastático Estudos mostram que o gengibre pode combater cânceres como: de ovário, pulmão, mama, pele, próstata e pâncreas.

4 Saúde Cardiovascular – As cenouras são muito boas para a saúde do coração. Os antioxidantes ajudam a combater o colesterol e diminui o risco de ataque cardíaco O potássio é bom para reduzir a pressão arterial elevada O gengibre também é bom para o coração pois assim como a cenoura ajuda a baixar os níveis de colesterol e controlar a pressão 5 Diabetes O gengibre ajuda a diminuir os níveis de açúcar no sangue e até mesmo ajuda a insulina e outras drogas usadas  para tratar a diabetes a funcionarem corretamente. As cenouras tem uma carga glicêmica muito baixa, e os carotenóides ajudam a controlar o açúcar no sangue.

6 Digestão – Se você sofre de problemas digestivos, você tem que incluir esse suco na sua dieta, ambos ingredientes, estão cheios de nutrientes bons para o intestino e para o cólon. O suco cru da cenoura ajuda contra a constipação, e o gengibre por sua vez reduz o inchaço, as náuseas e as dores. Pode inclusive acalmar os músculos gastrointestinais  e eliminar os gases Aprenda a fazer o suco!

Ingredientes :  4 a 6 cenouras – 1 pedaço de 3 cm de raiz de gengibre – 1/2 limão – canela em pó – sal do mar

Como fazer:  Descasque as cenouras, lave e seque, tire a casca da raiz de gengibre e lave bem, coloque as cenouras e o gengibre em um liquidificador ou centrifuga de frutas, coloque a mistura em um copo e adicione o suco do 1/2 limão espremido.

Acrescente o sal marinho, e se preferir coloque um pouco de canela e beba uma vez ao dia. O ideal é ingerir pela manhã.

ARROZ DE BRÓCOLIS COM AMÊNDOAS E ALHO

Este arroz de brócolis com amêndoas e alho é bem saboroso e é perfeito para acompanhar a sua ceia, inclusive é uma ótima opção pra reaproveitar as folhas do seu brócolis. Ferva água, coloque 1 xícara de amêndoas cruas e deixe cozinhar até elas subirem, o que vai levar cerca de 2 minutos

Este processo ajuda na remoção das cascas, retire com uma escumadeira, escorra e remova as cascas, espalhe as amêndoas em uma assadeira e leve para assar em forno pré aquecido a 180ºC por cerca de 15 minutos, mexendo de vez em quando para dourarem uniformemente, corte as amêndoas em pedaços menores e reserve, em um liquidificador, coloque 3 xícaras e meia de água, 100g de folhas de brócolis limpas, bata bem e reserve.

Em uma panela, coloque um fio de óleo e refogue 1/2 cebola picada e 3 dentes de alho picados até ficarem levemente dourados Adicione 1 xícara e meia de arroz agulhinha ou parabolizado, tempere com sal e refogue por um minuto

Acrescente a água do brócolis, coloque uma pitadinha de bicarbonato de sódio que vai realçar o verde do arroz, 150g de flores de brócolis picadas e misture rapidamente, tampe e deixe cozinhar em fogo baixo até a água secar, desligue, tampe e deixe descansar por 5 minutos.

Enquanto isso, em uma frigideira, coloque 2 colheres de sopa de azeite, 5 dentes de alho fatiados e frite bem em fogo baixo até ficarem levemente dourados, em seguida, coloque sobre um papel pra secar o excesso de azeite, salpique as amêndoas e o alho sobre o arroz e está pronto.

Você pode fazer sem as flores, só com as folhas batidas, inclusive como uma forma de incrementar o seu arroz do dia a dia, depois que você colocou as flores e o bicarbonato de sódio, evite ficar mexendo muito, senão você vai deixar o seu arroz empapado.

Eu gosto de colocar amêndoas ou castanha de caju, mas você pode colocar nozes, semente de girassol ou semente de abóbora tostada, este arroz é perfeito pra acompanhar algumas receitas, como o assado de lentilha, o assado de grão de bico, o ratatouille.

Se você gostou deste post, compartilhe com seus amigos, espero que gostem e bom apetite (:

RECEITA DADINHO DE TAPIOCA COM GELÉIA DE PIMENTA

O Extra me convidou pra fazer Delícias de Fim de Ano e hoje eu vou fazer pra vocês uma receita maravilhosa para vocês aproveitarem com toda a família: Dadinho de tapioca com geleia de pimenta! Quando eu fiz a receita de stick de polenta aqui no canal – vocês podem até clicar aqui pra ver também -, eu fiz junto uma geleia de pimenta pra servir com esse stick de polenta, só que eu não ensinei aqui no canal, então hoje o que eu vou fazer pra vocês está aqui, essa maravilhosa geleia de pimenta! Bigode: Já é meu condimento predileto da vida! É muito maravilhosa essa geleia!

Pra você servir com esses dadinhos de tapioca que eu tenho certeza: esse “combinho” com essa “geleinha” vai agradar todos os seus convidados na noite do Ano Novo! Não quis fazer ceia? Fica só no petisquinho Quis fazer ceia? Come o petisquinho antes de comer a janta, entendeu? Bigode: Todo mundo gosta de um conosquinho! Exato! A receita do dadinho de tapioca é uma receita do chef Rodrigo Oliveira, que é o chef do Mocotó

Ele que inventou esse dadinho de tapioca, pelo que eu pesquisei na internet, mas vai saber se esse dadinho já não tem no nordeste ou no norte ou em outros lugares do país não sei, tô dando aqui os créditos! Pra fazer esse dadinho, você vai precisar de 300 gramas de tapioca granulada, que é aquela mesma tapioca que eu já ensinei vocês a fazer aquele bolo mais fácil do mundo, que na verdade não é um bolo A galera falou, é cuscuz de tapioca

Você pode clicar aqui pra ver a receita! É a mesma tapioca, se chama tapioca granulada e não é aquela tapioca que a gente usa pra fazer tapioquinha, sabe? É uma tapioca pra você hidratar 300 gramas dessa tapioca Bigode: Ela é mais grossa, né? Ela é mais grossinha, vem em bolinhas

E 300 gramas de queijo coalho Agora, esse queijo coalho que a gente acha aqui no sudeste, ele não é tão salgado quanto aquele que eu comi em Manaus, então eu precisei colocar um pouquinho mais de sal – coloquei 1/2 colher de chá de sal Se você for usar o queijo coalho que encontra em Manaus, acho que você não vai precisar colocar tanto sal, só o sal do queijo já é suficiente pra essa receita E aí eu vou colocar 600ml de leite pra ferver – se você percebeu, essa receita é muito simples: são 600ml de leite pra 300g de tapioca e 300g de queijo coalho, ou seja, você pode aumentar essa receita o quanto quiser! Se usar 1 litro de leite, vão 500g de tapioca e 500g de queijo coalho Junto com o meu leite, vou acrescentar pimenta do reino ralada na hora e 1/2 colher de chá de sal, como eu já te disse

Deixa tudo ferver Mistura, mistura, mistura até o seu queijo derreter e a tapioca dar aquela boa hidratada – você vai ver que essa massa vai ficar mais grossinha, e aí você vem com toda essa massa e joga dentro de uma forma Eu tô usando uma forma de 30 x 20 cm já revestida completamente com plástico filme Jogou na forma, espalha bem – tem que espalhar rápido porque rapidão essa massa já fica bem compactada Cobre com plástico filme, aperta bem o plástico filme por cima e leva à geladeira por pelo menos 2 horas para firmar

Agora, pra fazer a nossa geleia eu vou pegar 2 pimentões vermelhos, corto ao meio, tiro as sementinhascoloco em uma forma e levo para assar em forno preaquecido a 150˚C por aproximadamente uns 30 a 40 minutos É só pra esse pimentão dar uma leve caramelizada, sabe? Ficar mais macio, com um sabor mais Bigode: Dar uma amaciada nesse pimentão! Exatamente! Assou o seu pimentão, você vai tirar do forno, esperar esfriar e a hora que esfriar você tira a pele do pimentão – eu não curto a pele porque acho meio indigesta.

Agora dentro do processador você vai colocar 12 pimentas dedo de moça Eu corto elas no meio e tiro as sementes, porque acho que as sementes vão deixar nossa geleia muito apimentada É óbvio que você não precisa tirar todas, né, mas assim: semente de 12 pimentas é bastante, então tenta tirar algumas porque senão fica muito forte Jogou ali dentro do processador, também vou cortar 2 maçãs, que tiro só o cabinho e as sementes, mas vai a maçã com casca e tudo

Na casca da maçã, gente, tem pectina e a pectina vai ajudar a engrossar a nossa geleia Bigode: Um dado interessante Se você analisar rótulo de geleia no mercado, as industriais têm pectina e as que são orgânicas têm maçã, porque eles usam a pectina da maçã, então todas as bases de geleia orgânica, a grande maioria é com maçã Ou com aquela parte do maracujá, que também tem bastante pectina Joga sua maçã dentro do processador

Depois coloca os pimentões e agora é só processar tudo até virar uma pastinha Virou uma pastinha, coloca dentro da panela que você vai cozinhar a geleia Junto, vou acrescentar 3/4 de xícara de açúcar – pode ser açúcar refinado, cristal, demerara, o que você preferir, depois o suco de 1 limão – vai lá e espreme bem o seu limãozinho inteiro ali dentro 3 dentes de alho, que eu vou tirar a casca e acrescentar inteiros ali dentro Os dentes de alho você pode tirar depois no final do cozimento, porque como eles estão inteirinhos é fácil de tirar.

Eu prefiro não tirar, porque ele fica tão macio depois que você cozinha por bastante tempo que às vezes é só passar assim num negocinho junto com o alho e a geleia, fica muito bom! Bigode: Vira uma pastinha, né? Também vou acrescentar 200ml de suco de laranja e 1/2 colher de chá de sal Juntou isso tudo, leva pra cozinhar em fogo médio e aí você vai cozinhando, mexendo sempre para não grudar no fundinho da panela, com bastante calma

Demora mais ou menos uns 40 minutos a 1 hora pra geleia chegar nessa consistência que você passa a colherzinha no fundo da panela e ela mostra bem certinho o fundo da panela sem voltar, sabe? Bigode: É o efeito brigadeiro É! Que nem um brigadeiro, exatamente!

Quando chegar nesse ponto tá pronto, é só colocar dentro de um potinho e fechar Bigode: Essa pimenta é tão boa que eu elegeria ela a sriracha brasileira Fica aí a dica pra quem quiser vender essa minha siracha, siatia, siriatchia brasileira! Eu gostaria de ter uma sriracha dessa aí! Tá gostando desse vídeo? Já deixa o seu like aqui embaixo e me conta qual é a sua comida favorita para a ceia de Ano Novo! E, claro, a hora que você fizer essa tapioquinha posta lá no Instagram com #ICKFD pra eu poder ver também!

Bigode: E se quiser mais ideias, clica ali no cantinho, no “i”! Mais ideias de Ano Novo, ó, clica aqui pra você fazer várias receitas! Bom, com todo mundo em torno da cozinha, porque aqui em casa todo mundo só fica em torno da cozinha, ninguém vai pra mesa comer – Bigode: Todo mundo fica de pé, né? Todo mundo fica de pé, fazendo uma coisinha ou outra! Bigode: É um eterno coquetel!

Nessa hora, que você tá ali preparando o peru, preparando não sei o que, você vai, tira a sua massa que já estava na geladeira, a massa da tapioca, e corta quadradinhos – eu fiz miniquadradinhos, porque acho que já fica no “bite” certo, amor Sabe? Você coloca na boca e já era, entendeu? Bigode: É! Ele é petisco friendly! Exatamente! Mas você pode fazer maior se você quiser, também! Fez ali o seu quadradinho, esquenta o óleo e quando estiver bem quente é só jogar ali dentro, deixar dourar e tá pronto

Coloca em cima de um papel toalha só para absorver um pouquinho o óleo e pode servir com a sua geleinha de pimenta maravilhosa! Ah! Sabe de uma coisa? Essa geleia de pimenta também é um ótimo presente, né? Bigode: Tudo o que você fez até hoje no canal pra mim é um ótimo presente Eu também acho, é verdade Aquelas assim! Bom, foram esses os meus dadinhos de tapioca com geleia de pimenta! Espero que vocês tenham gostado! Feliz Ano Novo pra todo mundo, beijo, amo vocês, tchau!